Total de visualizações de página

domingo, 14 de abril de 2019

A carta ao pai que nunca foi escrita



Resultado de imagem para carta ao pai kafka




Kafka precisou escrever sua Carta ao Pai para exorcizar os demônios que habitavam sua alma. Vomitou tudo o que havia guardado dentro do coração durante anos. Ao ler sua Carta ao Pai chorei muito e quase vomitei minhas mágoas em relação ao meu pai.Durante anos senti necessidade de escrever minha carta ao pai, mas me faltou coragem. Mais tarde percebi que meu sentimento em relação a ele não era mais de medo e respeito. Era de indiferença.  Vivo as consequências por ter tido um pai carrasco. Não consegui em toda a vida amar um homem sequer. Nunca disse "eu te amo" para nenhum deles. Por que? Porque para amar você precisa confiar. E eu perdi a confiança bem cedo. Ainda criança. Já pressentia um destino rigoroso. Sabia que teria que aprender a me virar sozinha. Não podia contar com ninguém para me proteger. Minha mãe fez o que pôde, mas não pôde o suficiente porque era depressiva. Lutou para sobreviver à doença mental que sempre a perseguiu. Vi-me então buscando forças na metafísica para ver se encontrava meios de viver, nem que fosse na corda bamba. Bem ou mal consegui ir cavando um túnel de proteção durante a infância, adolescência e vida adulta. Hoje, bem idosa, agradeço por ser uma sobrevivente para poder testemunhar uma coisa: nunca é tarde para se encontrar um respiro de paz. Só agora, no fim do caminho, através dos meus filhos, pude conseguir um pouco de alento para a velhice, e na companhia de minhas cachorrinhas posso assegurar que vivo uma existência em que há espaço para uma certa felicidade e muita gratidão. Gratidão em primeiro lugar a meus dois filhos e em segundo lugar a minhas cachorrinhas que são uma companhia preciosa em meus dias atuais. Nunca senti falta de homem. Percebi que não era essa a companhia que iria me fazer feliz. Para ser casada precisaria de uma qualidade que me foi arrebatada em criança: a confiança nos homens. Só confio em meus filhos. Os únicos homens que me fizeram sobreviver!!!

Por isso nunca escrevi minha Carta ao Pai. Não tenho raiva nem o mínimo amor por ele. Pertence ao território da indiferença, do esquecimento. 

quarta-feira, 27 de março de 2019

eletrodomésticos vs duração da vida humana.

Resultado de imagem para fogoes e geladeiras





Numa conversa com meu filho disse ele que podemos calcular o tempo de vida pelos fogões e geladeiras que tivemos. Não incluiu a máquina de lavar roupas. Interessante. Quem já teve 3 fogões ou 3 geladeiras, caso não seja muito cuidadoso e a marca dos eletrodomésticos seja razoavelmente boa, deve estar na faixa dos 40/50 anos. Eu só tive lavadora de roupas depois de casada. Já me separei do marido mas a máquina continua a mesma: 47 anos. Fogão já tive uns 3 e geladeira idem. Sou cuidadosa, portanto pode ser a minha cota para essa vida. Se houver outra vida, espero que os problemas domésticos sejam menores....

quinta-feira, 21 de março de 2019

SEGURANÇA






Enquanto varria a casa dei com o olhar de minha cachorrinha pousado em mim, e lembrei-me de que, quando era criança e via minha mãe ou minha tia varrendo a casa e eu deitada na cama (devia ser muito pequena ainda) era invadida por uma sensação muito gostosa de segurança e não sei se foi o que vi agora nos olhos de minha cachorrinha. Acredito que sim. Todos os seres vivos se sentem em paz quando percebem um ambiente de harmonia ao redor deles. Tudo isso são suposições minhas, pois não tenho provas cientificas de nada do que digo. Mas tenho certeza que na infância (e talvez na vida canina) alguns gestos simples chegam para transmitir a paz que um ser vivo merece.

Se ao menos as pessoas percebessem que pequenos gestos que simbolizam segurança (embora esta esteja sempre sob ameaça) significam uma reserva imensa de paz nos corações de crianças, adolescentes, adultos e animais. 

Quem disse que eu ainda não sinto o chão tremer de vez em quando e o céu rugir? 

quinta-feira, 14 de março de 2019

Soltando amarras...




                               (minha flor predileta)


Agora que estou na reta de partida, gosto mais da vida. Não é preciso ter tanto compromisso. Não é preciso ter mais nenhum compromisso. Só quero estar em harmonia com o que está acontecendo. Entender, relevar, se necessário for. Começo a simplificar as coisas. Os enunciados, as fórmulas, as regras. Percebo que não é preciso levar nada muito a sério. Estar alerta ao que se precisa fazer é suficiente. E quase nunca preciso afirmar uma ideia. Cada um vai procurar a sua. E vai encontrar, mais cedo ou mais tarde. Isso é bom demais. Sobra tempo para saborear as coisas.

Não sei criar estórias. A vida já é muito rica. Intensa o suficiente para que eu elabore o que está acontecendo. Nem sempre é fácil. Nem sempre consigo.

Mas aí me lembro da frase da Dona Canô, mãe de Maria Bethania, ao responder como conseguiu viver tantos anos: "Simples. É aceitar o que está se passando".




domingo, 24 de fevereiro de 2019

VAI E VOLTA.....

Resultado de imagem para MUDANÇA


Perguntaram à Dona Canô (mãe de Maria Betânia) como conseguia tanta disposição apesar de seus cem anos de idade. Qual o segredo de tamanha serenidade? Ela respondia: "É aceitar o que está se passando". 

Comecei com esse prefácio para escrever sobre o que estava sendo construído nesses últimos dias, tomando forma e sequência no dia 9 de fevereiro passado.


Há algum tempo eu andava insatisfeita (como pensamos e decidimos a torto e à direito, oh!) com muito trabalho a fazer em casa, mesmo morando sozinha. Acreditei ser porque num apartamento de 3 dormitórios, duas salas, dois banheiros, dois terraços, cozinha e lavanderia, sobrava-me pouco tempo para o lazer. E aconteceu o que menos esperava: o apartamento em frente vagou e o dono dividiu-o em 2. Um de 45m2 e outro de 35m2. Observando a reforma achei que o de 45 seria a salvação da lavoura. Lá trabalharia menos e sobraria tempo para algum lazer. Falei com o dono e no dia 9 fiz a mudança. Contratei um casal que levou tudo o que era pesado de um canto para o outro. 


Logo no primeiro dia avisei a prestadora de serviços que precisava mudar o ponto da TV/Internet/Telefone fixo e assim cobraram 90,00. Fiquei empolgada com o novo cantinho, até que chegou a hora de dormir e vi que minhas cachorras não sabiam onde se acomodar. Olhavam-me com uma carinha que dizia: onde você veio nos enfiar????


No dia seguinte, ainda cansadíssima, fiz um almoço simples e meus filhos vieram. Um deles falou: mãe, seu quarto parece uma despensa. Realmente, era pequeno e não tinha janela. Só azulejo de vidro para clarear um pouco. Ao amanhecer eu não dormia mais e à noite entrava luz da rua.....


Para resumir, 4 dias depois já estava eu de volta ao velho apartamento de 3 dormitórios. E pagando tudo outra vez: mudança de móveis e ponto de internet. etc.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Alguém já disse que tudo é relativo (Dr. Einstein) então eu pude sentir na pele e no bolso o que significa retomar um esquema antigo e desta vez achar minha situação MARAVILHOSA. Que delícia voltar a respirar sem ter uma cadeira ou uma parede na frente a me prender os mínimos movimentos. E ganhei dois presentes nessa volta. Foi tirada uma mesa gigante da sala (que fazia parte do pacote quando aluguei o apê) e meu fogão finalmente pode reinar com seus 4 pezinhos, já que estava embutido num local muito alto que me obrigava a cozinhar subindo num tablado.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sou protegida pelo Divino. O proprietário não cobrou os dias em que passei no outro apartamento (ele é dono do prédio) e não havia ainda assinado qualquer contrato. Decerto pressentiu que eu mudaria de ideia.

Mas assim mesmo separei muitas coisas para doação que o caminhão virá buscar amanhã.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

viajando na filosofia de forno e fogão






Como tudo é relativo (e essa é uma verdade incontestável), pratico minha filosofia de forno e fogão, às vezes de pia, o que hoje é o caso. 

Pensando na relatividade das coisas, presumo que minhas reflexões são tão válidas como a de pensadores famosos. A diferença é que eles tiveram o dom. Falaram sobre mundos desconhecidos, abriram portas imensas! Eu tenho a felicidade de haver absorvido um pouco de seus pensamentos e arrisco uma filosofia trivial....

Hoje estava eu pensando, enquanto lavava a louça, que depois que  me for, as coisas que hoje toco serão tocadas por outros. Esse prato que agora lavo (caso ainda não tenha quebrado), esses talheres, copos, etc., serão usados por mais alguém e seus destinos serão outros armários. Achei isso tão instigante que mesmo tendo acabado de desligar meu PC, voltei a ligá-lo porque não sei editar meu blog pelo celular. 

Acredito numa interligação de tudo, uma finalidade de colaboração utilitária comum a tudo, não só aos seres vivos, mas às coisas que os servem. Não só acredito nisso, como acho que uma certa quantidade da energia de cada um de nós fica impregnada em tudo o que tocamos. Tudo serve para alguma outra finalidade. Até no buraco negro deve haver alguma coisa daquilo que existe fora dele....

Não me levem a sério, devo estar abusando da metafísica. É que não consigo guardar minhas ideias, gosto de compartilhá-las, caso contrário não teria um blog.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

UM MAL-ESTAR QUE HOJE SERIA CONSIDERADO UM ASSÉDIO SEXUAL

Resultado de imagem para TIMIDEZ


Talvez pelo fato de o tema estar em destaque esses dias, lembrei-me de um mal-estar que passei quando tinha meus 10 anos de idade.

Hoje já seria caracterizado por importunação sexual, ou algo do tipo.

Estava numa pizzaria em São Vicente com minha família: pais, avô e irmã. Comíamos uma pizza, que era um prato que eu amava...e de repente percebo que em uma mesa próxima, um par de olhos masculinos me espreitava. Olhava fixo para mim, e ao perceber que insistia, baixei os olhos e tentei levar à boca mais um pedaço da pizza. A coisa não desceu bem. Ao levantar os olhos eis que o homem além de olhar, sorria. Fiquei constrangida, pois além de tímida tinha medo que meu pai percebesse. Ia dar barraco, pois ele era nervoso e tinha pavio curto. 

Contei isso porque o fato de não me sair da memória é sinal de que foi um acontecimento marcante. Para quem já tinha medo do pai desde que nasceu, o fato de ver um outro homem numa atitude que me fazia encolher de medo, deixou tudo numa dimensão confusa e apavorante. Nunca contei isso pra ninguém, estranho. Agora entendo porque muitas mulheres deixam de relatar um abuso sexual logo após o incidente. Há algo na natureza de uma mulher que é frágil demais. Existe um medo de que a culpa seja nossa, mesmo aos 10 anos. Eu era bonitinha mas nunca havia passado por situação semelhante.

Esse homem que me violentou com o olhar asqueroso devia ter na época uns 30 anos mas conseguiu estragar meu jantar. A pizza que eu tanto adoraria ter comido ficou quase toda no prato.

O mais instigante é constatar agora que ninguém da minha família percebeu. Viram como é complicado???