Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de julho de 2008

A NECESSIDADE DE VOLTAR ÀS ORIGENS...






local onde será construído o Museu Pel

Hoje voltei à Santos, a cidade onde nasci. Morei lá durante 23 anos. Desde então voltei centenas de vezes a passeio.

Hoje no entanto, não foi um passeio qualquer. Vou falar da minha aventura: tomei café e saí de casa, com a finalidade de fazer um resgate. Sim, Santos já significou muito sofrimento, no meio de algumas alegrias. Cheguei a sentir uma relação de amor/ódio com a cidade. Agora estou em paz. Virei a página. Consigo ir lá sem sofrer. Mas não consegui evitar uma nostalgia que me invadiu a alma, desde o momento em que cheguei, com um roteiro a cumprir, mais ou menos pré estabelecido. Sim: passaria pela rua onde trabalhei durante alguns anos, primeiro numa firma de traduções, depois num banco e ainda numa firma de pesca. Queria almoçar na Bolsa de Café (hoje fechada para descanso semanal) Andei pelo centro da cidade, senti que isso ainda é viável por lá, já que não há sinais tão evidentes de banditismo ou violência, a cidade se modernizando, o centro sendo todo restaurado, construções remodeladas para embelezar a região que ainda conserva casas com estilos muito ricamente construidas, do tempo dos barões do café. Vi sinais de vandalismo em algumas grades imponentes, onde se percebia que ladrões andaram cortando pedaços para negociarem, talvez em troca de drogas...Senti o cheiro do mar, mesmo no centro da cidade se consegue perceber o ar da maresia, gostoso de se respirar. O dia estava especialmente bonito e tive sorte!

Almocei num ótimo restaurante , onde comi uma meca grelhada com risoto de pupunha e farofa de banana, sensaciconal! Do restaurante, que fica de frente para o mar, avistei um navio cargueiro que fotografei e mostro a vocês.

Voltei cedo, ainda de dia, com a alma cheia de sentimentos misturados: tendo saído dessa cidade por motivos pessoais (não conseguiria superar a fase difícil que vivia na época sem ter abandonado a cidade) não consegui evitar a sensação de que eu traí meu berço, e agora, depois de tanto tempo, nesse retorno feito com o propósito de recordar, ficou um gosto de "tarde demais" . Tudo muda, e é triste sentir que a cidade não é mais a mesma (apesar de estar muito bonita) mas eu também já não sou a mesma e nem tão bonita quanto antes. Ambas envelhecemos, mudamos.

Só que as cidades são perpetradas pelos seus filhos que ali ficam e geram novas famílias que sempre cuidam para que se embeleze e remoce. Já os seres humanos não têm essa sorte...envelhecemos e nosso consolo é vermos em nossos filhos alguma coisa que ficou de nós !

Não adianta choro nem mágoa. Valeu a homenagem que fiz, valeu pisar naquele solo que me acolheu por 23 anos. Senti a conexão, apesar de tudo!

8 comentários:

João Videira Santos disse...

Santos, cidade portuária "ali" à beira de São Paulo...Conheci,exactamente há quatro anos atrás. Gostei da "marginal" e dos fins de tarde nas esplanadas tomando um chop e convivendo com amigos...Saudades? Muitas!

Dédalus disse...

Todos cambiamos y las ciudades también. Comprendo esa mezcla de sentimientos que sentiste al volver a Santos... y esa nostalgia. No hay distancia más lejana que el pasado...
Pero, por otra parte, creo que tu visita fue sanadora y que has cerrado algún capítulo de tu vida allí, que quizá quedó pendiente.

Que tengas mucha paz, Sonia.

Beijinhos!

sonia disse...

Tive uma vida muito intensa em Santos. Todas as emoções da fase mais dinâmica da minha vida foram vividas lá. Hoje consegui, finalmente, fechar um ciclo. Já seria capaz (e até me agradaria) voltar a morar em Santos.
Obrigada aos meus amigos João e Dédalus,que colocaram aqui seus comentários.

disse...

Gostei demais do seu relato...Santos marcou minha infância,e as filas que fazíamos na frente do Clube Jangadeiro,para pegarmos a balsa para Guarujá ,saõ inesquecíveis...Mas tudo muda...mas o passado lá deve ficar...que as boas lembranças prevaleçam...
Obrigada pelo teu comentário no Alice no País Das Maravilhas ...bom saber que outros sentem a mesma dualidade em ralação a este conto...beijo Vi

As cores da vida disse...

Que engraçado... a comentar no meu blog e no mesmo dia eu posto... hehe

obrigada pelo comentário =)

voltei a postar!! :D

beijito*

karen disse...

Texto bonito, Sonia!

Patti disse...

Há regressos que doem muito. A mim ainda me falta um e não sei se algum dia o vou conseguir fazer. Ou se quero.

Lindo relato este seu.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Conheço tanto do Brasil ( minhas origens são daí, paredes meias com a Argentina)mas não conheço Santos e S. Paulo apenas de passagem.
Gostei do post e de seu blog.